sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

O Fantasma do despedimento nos bombeiros.

A grave crise económica e alterações das normas no regulamento de transportes de doentes não urgentes está originarem uma redução de receitas nos corpos de bombeiros, o que está a fazer que muitos comandantes e presidentes das associações de bombeiros a usem os seus elementos profissionais como arma de remesso e de luta. Ou governo altera a lei ou despedem os seus profissionais.

Ser profissional numa associação de bombeiros é muitas das vezes sinónimo de trabalho precário, raramente se compre com os contratos. Contrata-se para uma coisa e coloca-se a fazer outra, e muitas milhares de horas de trabalho extraordinárias são simplesmente dadas ou obrigadas a dar, “profissionais no horário de trabalho e voluntários depois disso”, um lema que em muitos quartéis de bombeiros é imposto como lei.

Tudo é um negócio e nada mais que isso, as associações de bombeiros estão se a comportar como meras empresas comerciais, onde o lucro é a coisa mais importante. Até ao despedimento muita coisa se podia fazer, como requalificar esses profissionais para a área do socorro, muitos deles até nem precisão porque até são as pessoas com mais formação dentro dos seus corpos de bombeiros pela sua disponibilidade para receber formação. Deviam exigir a abertura de mais postos de emergência médica (PEM) e criação de mais mais Equipas de Intervenção Permanente (EIP), essas últimas, muitos senhores comandantes mostram relutância na sua criação “põem em causa o voluntario”, mas o futuro passa pela criação de PEM e EIP, absorviam grande parte desses profissionais excessivos actualmente ou as associações procurem novas oportunidades de negócio em outros mercados fora do SNS.

Julgava eu que as associações de bombeiros estivessem mais respeito e consideração pelos seus profissionais, e soubessem os defender e lutar por eles, mas pelos vistos não, são simplesmente descartáveis como uma compressa usada. Mas o despedimento desses elementos pode trazer consequências graves, porque vão que ser indemnizados, e depois a grande maioria bate a porta de vez, e com a grave crise de mão-de-obra voluntária existente nas associações de bombeiros, depois nem profissionais nem voluntários.

Autor Fénix

1 comentário:

FIRESHELTER52 disse...

Concordo com o que teclas.
...Sem duvida, que tempos de amargura e desaire estão para chegar...
Os bombeiros futuramente não passarão de casas vazias, com memoriais, ou então conversa de cafés entre antigos colaboradores.
Um forte abraço
FIRESHELTER52