terça-feira, 21 de março de 2017

Bombeiros com carta de demissão assinada.

Muitos elementos de comando estão a exigir aos bombeiros que ingressam no quadro ativo que assinem uma carta de demissão com data em branco.

Uma situação ilegal, que coloca o bombeiro em questão numa situação de fragilidade permanente perante o seu comando, que ao fazer alguma coisa que desagrade aos elementos do comando seja expulso sem qualquer processo disciplinar com hipótese de defesa, porque legalmente foi o próprio bombeiro que pediu a sua própria demissão com carta devidamente assinada.


Essa situação passou a ser frequente em muitos corpos de bombeiros, onde os bombeiros em questão devem denunciar essa situação à ANPC como ao concelho jurídico da associação, para que essa situação seja anulada.
   
Autor Fénix
 http://voo-da-fenix.blogspot.pt/

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Não, não pode ser bombeiro voluntário.


Ser bombeiros atualmente é mais exigente do que ser bombeiro a umas décadas atrás, e começa logo pela imposição de ter a escolaridade mínima obrigatória consoante a sua idade, onde a grande maioria dos estagiários com idade entre os 17 e 18 anos é exigido o 12º ano de escolaridade.

Isso se deve pela imposição legal do curso de Tripulante de Ambulância de Transporte, que faz parte da formação inicial de bombeiro exigir a escolaridade mínima obrigatória, que dá o direito de fazer de segundo elemento numa da tripulação de uma ambulância de socorro ou andar a fazer transporte de doentes não urgentes, como consultas e tratamentos e retornos em veículos de transporte de doentes.

 Muitos comandantes estão eliminar futuros candidatos a bombeiros voluntários por não terem a escolaridade mínima obrigatória, uma atitude elogiada por poucos e criticadas por muitos, porque esse elementos podem fazer em vez curso TAT o curso de Técnicas de Socorrismo TS, mas fim da formação inicial de bombeiros esses bombeiros não podem fazer qualquer tipo de serviço de transporte de doentes, muitos menos serviço pré-hospitalar, porque a lei assim o determina, e muitos bombeiros desconhecem completamente essa irregularidade legal que andam a cometer, fazendo um serviço para qual não tem nenhuma habilitação legal para o fazer, assumindo eles próprios toda a responsabilidade legal do que fazem.

Autor Fénix
 http://voo-da-fenix.blogspot.pt/

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Contas à moda da LBP.



O fundo social dos Bombeiros gerido pela Liga dos Bombeiros Portugueses sempre motivou algumas dúvidas e desconfianças como é gerido esse fundo.

Em 2013 o governo de Timor fez um donativo cerca de 1 milhão de euros para os bombeiros voluntários portugueses, donativo que lançou muitas desconfianças sobre o seu paradeiro final, em 2016 ficamos a saber que esse donativo foi direccionado para o fundo social do Bombeiros.
O valor da totalidade do donativo de Timor, contas feitas à moda da LBP, foi totalmente gasto em 2013, em despesas com os bombeiros falecidos em serviço, bombeiros acidentados em serviço e despesas hospitalares.

Uma situação insólita, porque essas despesas deviam ser suportadas pelas companhias de seguros dos bombeiros voluntários e não pelo fundo social dos bombeiros, se é assim para que servem as companhias de seguros?
 


Autor Fénix http://voo-da-fenix.blogspot.pt/

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Corpos de Bombeiros indisponíveis para o socorro.



A cerca de uma semana um cidadão esteve mais de uma hora a espera de meios de socorro no município de Loures, acabando por morrer por falta de assistência, onde em seu redor existe várias associações de bombeiros, que se mostraram indisponíveis para socorrer, outro caso mais recente, o um comunicado de um corpo de bombeiros envolvido numa polémica de uso abusivo de sinais sonoros a informar que é perfeitamente normal recusarem chamadas de socorro.

As centrais de socorro cada vez mais tem dificuldade de arranjar meios disponíveis para o socorro, principalmente na aérea da emergência pré-hospitalar, porque os bombeiros locais estão indisponíveis para o socorro, uma situação que passou a ser bastante frequente em certas áreas em Portugal, ter um quartel de bombeiros próximo deixou de ser sinonimo de existência de um socorro disponível.

Existem relatórios confidenciais que expõem uma dura realidade omitida da opinião publica desse grave problema que a afecta a sociedade portuguesa, que sucessivos governos não tem tido vontade politica para resolver nem pedir esclarecimentos legais, porque a lei determina que o comandante do corpo de bombeiros é o responsável pelo socorro na sua área de actuação própria, logo devia ser ele a responder criminalmente pela recusa de auxílio dentro da sua área de actuação própria.

Com o sentimento de impunidade existente nesse sector, as centrais de socorro muitas das vezes ficam com dezenas de pedidos de socorro dependentes, onde muitas das vezes tem que accionar meios de socorro de outras freguesias, municípios até de outros distritos para socorrer quem necessita, inviabilizando um socorro garantido em tempo útil, originando na grande maioria das vezes a morte de cidadãos ou a destruição de bens públicos e privados, causados por atrasos consideráveis da chegada dos meios de socorro.

Até quando continuaremos a tolerar essa situação….


Autor Fénix
 http://voo-da-fenix.blogspot.pt/

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Ser bombeiro deixou de estar na moda.



A nossa sociedade muda consoante tendências sociais, e muitas delas vão deixando de estar na moda, e ser bombeiro deixou de estar na moda.

A juventude hoje em dia tem uma oferta de ocupação dos tempos livres bastante variável, totalmente diferente de algumas décadas atrás, onde ser bombeiro estava na moda, uma actividade cheia de adrenalina e emoções fortes, existia reconhecimento por parte da nossa sociedade, existia prestígio e servia de uma boa ocupação dos tempos livres, numa época onde pouco ou nada existia localmente para oferecer á juventude, contrapondo com a oferta dos dias de hoje, que vão: desportos radicais , novas tendências culturais e sociais de solidariedade, novos modos de vida, capacidade de deslocação e capacidade financeira em aderir a uma economia de consumo e bem-estar.

Ser bombeiro actualmente colide com o modo de vida imposto pela nossa sociedade, a sociedade mudou e os bombeiros não souberam acompanhar essa mudança, além de pouco ou nada tem para oferecer, perderam o pouco que tinham para oferecer, perderam a sua entidade própria, passaram a ser subjugados por tudo e por todos, transformaram-se numa entidade de prestação de serviços, negligenciando muitas das vezes a sua missão primordial da sua existência, que é o socorro às suas populações, sendo progressivamente substituídos por entidades com missões idênticas, como INEM, FEB e GIPS, que agora estão na moda, que são uma referência para a nossa juventude, até passaram a ser uma referencia para muitos bombeiros.
 

Autor Fénix http://voo-da-fenix.blogspot.pt/

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Mas que critérios são esses?


O Dispositivo Especial Combate a Incêndios Florestais iniciou-se para muitos corpos de bombeiros no dia 1 de Junho com a fase Bravo, constituído com 1500 viaturas que empregam cerca de 6,570 operacionais, mas o critério de distribuição dos meios já está envolto em polêmica.

O DECIF é um dispositivo para fazer face aos incêndios florestais, mas existem corpos de bombeiros, onde a única floresta que tem nas suas áreas de atuação próprias são florestas de betão, os únicos incêndios que podem ter são nas rotundas e nas bermas das estradas, e já foram contemplado com uma equipa de ECIN no início do arranque do DECIF 2016.
Uma situação que esta a trazer algum mal-estar na estrutura dos Bombeiros, onde se prova que os critérios não se regem por existência de risco, mas sim por outros interesses alheios á operacionalidade, onde muitos desses corpos de bombeiros têm deficiências operacionais, alguns somente tem operacionalidade durante o DECIF, onde o resto do ano dedicam-se a outras atividades mais rentáveis, deixando muitas das vezes o socorro das suas áreas de atuação próprias para os corpos de bombeiros limítrofes. 
Esperemos que pelo menos cumpram com todas as normas impostas pela ANPC para a existência desse dispositivo nos seus corpos de bombeiros, porque durante o resto do ano muitos desses corpos de bombeiros deixam muito a desejar.


Autor Fénix
http://voo-da-fenix.blogspot.pt/

domingo, 29 de maio de 2016

Formadores de TAT somente com o formação laboratório nível 3.

O INEM vai alterar as exigências aos formadores de que administram formação de TAT, Tripulante de Ambulância de Transporte a nível nacional, para o próximo ano letivo vai ser exigido aos formadores que administram o curso da TAT o laboratório nível 3, administrado exclusivamente por elementos do INEM.


O laboratório nível três era somente a exigido aos formadores que administram formação TAS, onde agora o INEM quer impor essa formação aos formadores de TAT, o que ira originar a paragem abrupta da formação TAT a nível nacional, porque quem não tiver o laboratório nível três somente pode dar formação SBV-DAE. 

Autor Fénix http://voo-da-fenix.blogspot.pt/

sábado, 21 de maio de 2016

Nem 1 euro levam de aumento.

O presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, Jaime Marta Soares, tinha reivindicado ao inicio do ano o aumento do valor pago a cada elemento do DECIF 2016 para 100 euros por 24 horas, passado um mês tinha corregido que o valor, que devia ser 50 euros pelas 24 horas.

O valor pago a cada elemento que faz parte do DECIF foi sempre contestado pelos bombeiros, um valor demasiado baixo que é inferior ao ordenado mínimo nacional, principalmente quando estamos a falar de uma atividade de risco.

A ANPC manteve o mesmo preço a pagar por cada elemento, 45 euros pelas 24 no DECIF 2016, as reivindicações da LBP não passaram de um show-off para entreter e enganar os bombeiros, a única contestação foi de um aumento de 1 euros no dia da apresentação do DECIF 2016, mesmo assim não foi conseguida.

A LBP deixou por cair as suas reivindicações, negociou o aumento de 50 equipas, que leva existir mais 250 homens no DECIF 2016, em troca deixou cair as reivindicações de aumento que estava exigir.


O que o SR Jaime Marta Soares que esqueceu que não é com vinagre que se apanham abelhas, em vez de incentivar e cativar os elementos que ainda fazem parte do DECIF, preferiu pagamentos precários numa atividade precária, que nos últimos anos somente atraem pessoas menos qualificadas e menos performances operacionais, contraditando as outras forças já existentes.

Autor Fénix
http://voo-da-fenix.blogspot.pt/

quarta-feira, 30 de março de 2016

Cadê da formação

Hoje em dia a oferta formativa para os bombeiros deficiente para as necessidades dos bombeiros portugueses. A formação exigida para o ingresso na carreira de bombeiros é de 250 horas, somente 100 horas de formação é são certificada pela ENB (TAT, SD), os outros módulos são administrados internamente nos corpos de bombeiros, sem qualquer controle de uma entidade responsável, quer a nível de instrução e de avaliação.

Na progressão de carreira de Bombeiro, formação certificadas somente existe para bombeiros 1º, Subchefe e Chefe, hoje são somente exigidas 180 horas de formação certificada pela ENB para se chegar de bombeiros de 3 a chefe, formação meramente insuficientes para quem quer atingir o topo de carreira de bombeiro.

Mesmo assim essa formação é somente exigida a quem está concorrer na progressão de carreira de Bombeiro, porque existem milhares de bombeiros que já são graduados e chefias que nunca foram chamados para tirar a formação atualmente exigida a quem esta a concorrer aos postos imediatos, onde deviam ser esses bombeiros que já ocupam os postos imediatos a serem os primeiros a serem chamados a frequentar os novos módulos de formação existentes, para que a novos métodos e técnicas operacionais sejam de imediato implementadas no terreno.

Mesmo com a formação deficiente, como é possível existir um grande número de bombeiros sem qualquer formação legalmente imposta aos dias de hoje?

O problema pode ser de muitos bombeiros que não se disponibilizam para irem tirar formação, outros acusam os comandantes de não os inscrever, os comandantes acusam a o comandantes distritais, DNB e ENB de não disponibilizarem a formação para os seus homens.

Afinal quem são os verdadeiros culpados?

O verdadeiro culpado é o próprio sistema formativo dos bombeiros, não tem mecanismos reguladores que acompanhem em permanência a formação dos bombeiros, pelos vistos ninguém se preocupa se o bombeiro tem ou não formação, se esta em situação regular ou irregular a nível de formação, porque o levantamento das necessidades formativas dos bombeiros está dependente unicamente do comandante do corpo de bombeiro, é validada pelo comandante distrital e comunicada á Direcção Nacional de Bombeiros, que por sua vez requisita a ENB para administrar administra a formação, a ENB muitas das vezes esta impossibilitada de dar formação por falta de formandos.

Com um sistema formativo, onde não existe quem fiscaliza os guardiões do sistema, dificilmente teremos bombeiros bem formados e atualizados.


Autor Fénix
http://voo-da-fenix.blogspot.pt/

quarta-feira, 9 de março de 2016

Nem são carne nem peixe.

Hoje em dia a nível do sector dos bombeiros assistimos um pouco de tudo, principalmente a nível do comprimento da legislação, assistimos quem a cumpra, que não cumpra e quem ainda invente.
A legislação portuguesa define que exista em Portugal quatro espécies de corpos de bombeiros, profissionais, mistos, voluntários e privativos.

Hoje em dia assistimos corpos de bombeiros voluntários a alterar os seus estatutos, classificando os seus corpos de bombeiros de “voluntários ou mistos”, como aconteceu aos Lisbonenses e Almoçageme, que resolveram criar por iniciativa própria mais uma espécie de corpo de bombeiros em Portugal, “Voluntários ou Mistos”.

O mais interessante a alteração dos estatutos dos corpos de bombeiros passa pelo departamento jurídico da ANPC, onde depois de aprovados são publicados na sua página os novos estatutos ou alterações existentes.


Independentemente na minha opinião própria, que o corpo de bombeiros da espécie voluntário devia ser abolida, porque hoje em dia não exista nenhum corpo de bombeiros a nível nacional que não tenha um quadro de bombeiros profissionais ao activo, independentemente da LPB dos presidentes das associações e comandos não os reconhecerem como profissionais, mas perante a legislação laboral são profissionais, onde se espera urgentemente resolução legislativa desses profissionais,

 Como os corpos de bombeiros da espécie Mista consagrada voluntários e profissionais, logo os corpos de bombeiros da espécie voluntários não tem critérios de existência, muito menos a nova espécie “Voluntários ou Mistos”, alem de serem ilegais nem são carne nem peixes.

Autor Fénix
 http://voo-da-fenix.blogspot.pt/