quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Quando a experiência de vida conta.




Vida Por vida

Esta semana aprendi que, heróis não são aqueles que realizam obras notáveis.
Mas os que fizeram o que foi necessário e assumiram as consequências.

Um dia estava eu no quartel de bombeiros em Peniche quando uns pais angustiados vieram pedir ajuda. A sua filha estava mal psicologicamente. Tinha desaparecido de casa e eles tinham receio que ela se suicidasse.

Peniche é uma península com boas praias mas também com muitas falésias que as pessoas com problema aproveitam para desistir da vida.

Juntámos uma equipa e resolvemos começar na zona norte junto à estrada da marginal em frente à Papoa.

Mas chegamos ao local recebemos logo más notícias, alguém tinha visto a moça atirar-se da falésia.

Este tipo de situações é muito frustrante para quem pretende salvar porque as hipóteses da pessoas estar viva são extremamente diminutas e portanto a partir daí objectivo é recuperar corpo para entregar à família.

Na equipa ia um bombeiro de seu nome Fernando Malheiros, carpinteiro naval de profissão e pescador experiente que conhecia todos os acessos possíveis lugares daquela falésia onde a nossa vítima poderia estar, isto é claro se não tivesse atingido o mar. Depois de verificados todos esses lugares sem resultado, acabamos por parar a busca partindo do princípio que a vitima teria de facto caído ao mar e se tinha afogado.

Quando íamos de regresso ao quartel o Fernando volta-se para mim e diz: Hoje de madrugada quando a maré estiver baixa volto cá com outra equipa. E de facto nessa noite a equipa do Fernando descobriu a vítima numa caverna não acessível durante o período das primeiras buscas. Estava em hipotermia e tinha uma fractura numa das pernas, mas estava viva. Foi de imediato levada ao hospital. Se não tivesse sido Fernando a tomar a decisão de voltar naquela noite, a moça teria com certeza morrido.

Mais tarde em conversa com ele perguntei-lhe como seria que ela tinha conseguido chegar à gruta com uma perna fracturada e ele respondeu de uma forma simples mas profunda, de quem conhece e respeita: foi o mar que a devolveu.

Um abraço ao Fernando.

Autor Francisco Zaragoza.

Jornal “Bombeiros de Portugal”

O bombeiro Fernando Malheiro é um bombeiro em regime voluntário, como muitos milhares de bombeiros existente no país, que têm diversas actividades profissionais, que podem ir de médico a um simples pescador ou carpinteiro e como hobby são bombeiros, e a conjugação dessas actividades profissionais com à de Bombeiro podem fazer a diferença entre a vida e a morte de quem necessite de socorro.

Se o bombeiro Fernando Malheiro não fosse pescador e conhecedor do seu meio ambiente onde exerce a sua actividade profissional “o mar”, certamente a jovem acabaria por morrer, porque esses conhecimentos não se adquirem em formação, são conhecimentos adquiridos por experiencia de vida.
Fénix
http://voo-da-fenix.blogspot.com/

3 comentários:

Bombeiro disse...

Esta é a grande verdade da vida...a experiencia de um bombeiro pode ser determinante.

Parabens pelo texto.

Um abraço do bombeirosparasempre

Bombeiro disse...

Boas Fenix.

Se possivel, gostaria que entrasses em contacto comigo, via e-mail, o mais rapidamente possivel.

Obrigado

Fénix disse...

O meu contacto é romeo@sapo.pt