domingo, 9 de agosto de 2009

Governo recua na criação da carreira TAS e TAE e deixa orifissionais na ilegalidade.

Governo recua na criação de carreira e deixa profissionais na ilegalidade. TAE acusam Governo de ter cedido a pressões e ameaçam com greve de zelo.
O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) está a prestar socorro de forma ilegal. Os cerca de 700 Técnicos de Ambulância de Emergência (TAE) não têm carreira nem a situação profissional regularizada na função pública. A denúncia é do Sindicato dos Técnicos de Ambulância de Emergência (STAE). No inicio do ano, o Governo não incluiu os TAE do INEM no regime geral da função pública. O objectivo era agilizar a integração dos técnicos num regime de carreira especial prometido pelo Ministério da Saúde até ao final desta legislatura. Mas, ao que o i apurou, o Governo recuou na intenção e não vai criar a carreira, por uma questão de timing político.

A falta ao prometido está a criar uma onda de revolta entre os TAE do INEM que ameaçam recorrer à greve de zelo e mesmo ao abandono da profissão se não tiverem respostas do Governo. O STAE admite que, se tal acontecer, a situação pode lançar o caos no socorro do INEM, uma vez que o instituto não pode fazer contratações e já labora, neste momento, com a falta de mais de 200 TAE.

“Foi-nos prometida a carreira. Governo e sindicato estavam de acordo e trabalharam juntos e agora, de repente, soubemos que não vamos ter nada. É incompreensível”, disse ao i Ricardo Rocha, presidente do STAE. Os 700 técnicos representam 80 por cento do socorro pré-hospitalar realizado nas principais cidades do país. Ricardo Rocha admite que a “greve pode prejudicar o serviço”, mas que os técnicos irão “recorrer a todas as formas de luta disponíveis”. “Muitos colegas estão psicologicamente agastados com a situação. Investiram tudo na carreira que iriam ter no INEM e agora estão desiludidos. Há duas semanas que o STAE tenta contactar o Ministério da Saúde. “Ligamos para lá e ninguém aceita falar connosco nem devolvem as chamadas”, acusa.

Há duas semanas, Manuel Pizarro, informou o presidente do INEM, Abílio Gomes, que afinal não seria possível criar a carreira dos técnicos que antes prometera. Abílio Gomes, que sempre apoiou os técnicos, ficou incrédulo. Fontes do INEM contactadas pelo i, acusam o “loobie dos enfermeiros”de ter “sabotado a carreira dos técnicos”. Com a criação da carreira, os novos técnicos, após uma formação de 1475 horas, passavam a poder administrar medicação, fazer acessos venosos nos doentes e reanimação cardíaca avançada, como acontece em vários países europeus. Mas os enfermeiros nunca admitiram que os TAE, ainda que supervisionados por clínicos, praticassem actos médicos em emergência pré-hospitalar.

O INEM tem recorrido amiúde à contratação de profissionais que vai buscar a empresas de trabalho temporário. “Fazem out sourcing porque não podem contratar ninguém. É um esquema. Não existe quadro nem carreira”, diz ao i um técnico.

Fonte: in i, 8 de Agosto de 2009
http://voo-da-fenix.blogspot.com/

6 comentários:

Fernando disse...

De facto tou muito agastado ... Chamem o CAPIC!!!!

a disse...

De facto os taes vão ficar muito agastados... Temos de exigir responsabilidades tambem ao sindicato dos taes... Não cumprem...

Fénix disse...

Poderias ser mais específico quando dizem que o sindicato não cumpre?

a disse...

Não cumprem o que tanto prometeram aos colegas, nomeadamente a carreira, a melhoria de condições de trabalho, as bases...
Andamos nós a trabalhar a fazer os turnos em que os sindicalistas faltam para andarem a passear e a discutir nada que não leva a lado nenhum...

Fénix disse...

Os representantes sindicais são nomeados pelos sindicalistas e não pelos sindicatos, se o seu trabalho não esta a ser correctamente feito esta na altura de serem substituídos por outros, basta todos crerem.

Em relação as carreiras, as coisas são mais complexas, existem sempre varias entidades envolvidas e o consenso é difícil, principalmente quanto temos os senhores enfermeiros a tramarem os tripulantes, uma coisa que acontece a décadas e que esta na altura dos tripulantes tomarem uma forma de luta concreta.

a disse...

Pergunte aos meus colegas e eles irão responder-lhe como eu... prometeram-nos que iriam-mos ter carreira, que iria-mos ter melhores bases... eles iriam fazer e acontecer... mas andamos nós a trabalhar para os stae andarem a passear...