quarta-feira, 31 de janeiro de 2007


Filhos de um Deus Menor



O Ministro da Administração Interna, prometeu que o seu ministério iria equipar os Bombeiros existentes no país com equipamento de protecção individual para o combate a incêndios florestais.

Eu como Bombeiro, sempre duvidei se o MAI iria cumprir a sua promessa em relação aos EPI para os Bombeiros Portugueses para o combate aos incêndios florestais, porque o actual EPI usado pelos os Bombeiros Portugueses não cumpre a directrizes da CEE, CEN EN 1486. 3.12.1996, CEN EN 531: 1995 6.11.1998, que regulamente o equipamento de protecção para bombeiros, porque o actual vestuário é feito de algodão, sem qualquer resistência a chama ou a temperatura, onde devia ser tecido com características de ignifugacidade, tecido normalmente fabricados e desenvolvidos pela DuPont Nomex® composto por Kevlar e Aramide.

Mas o MAI sobre protesto começou entregar o respectivo EPI, mas fiquei estupefacto pelo tipo de equipamento entregue, quer pela quantidade quer pelas suas características de ignifugacidade, o MAI resolveu entregar aos corpos de Bombeiros o mesmo tipo de equipamento usado actualmente, em vez de fornecer o mesmo tipo de equipamento que forneceu a recente força formada pelo MAI os GPIS da GNR, o que mostra uma atitude imparcialidade do MAI entre a GNR e os Bombeiros.

Assim o MAI forneceu a cada corpo de Bombeiro vários equipamentos de protecção individual combate a incêndios florestais, idênticos aos usados a mais de duas década.


















Em vez de fornecer o equipamento idêntico ao que foi adquirido pelo MAI para os GPIS da GNR para o combate a incêndios florestais como mostra a figura.





Outra situação é a quantidade fornecida, , onde é um número bastante insignificante para as necessidades reais, onde o MAI tem conhecimento o número de operacionais existentes nos Bombeiros em Portugal, quer a nível de inscrições quer a nível da tipificação dos corpos de Bombeiros como:


• Tipo 4 um corpo de Bombeiros com 60 ou mais elementos
• Tipo 3 um corpo de Bombeiros com 90 ou mais elementos
• Tipo 2 um corpo de Bombeiros com 120 ou mais elementos
• Tipo 1 um corpo de Bombeiros com 150 ou mais elementos


Assim dificilmente percebo como o Ministério da Administração Interna MAI, pode ser tão imparcial nas suas decisões, não forneceu equipamento para a totalidade dos operacionais dos Bombeiros existentes como prometeu, nem forneceu o equipamento adequado para o combate aos incêndios, idênticos aos que forneceu aos GPIS da GNR.

Quando a palavra de ordem é a segurança, como é possível existir uma diferenciação tão grande entre os equipamentos de protecção individual entre essas duas identidades, porque a missão é a mesma o risco são idênticos, e ambos são cidadãos nacionais, quer em dignidade e direitos.

Assim começo a pensar que os Bombeiros Portugueses são filhos de um deus menor.

Foto 1º Nuno Andrê Ferreira

2º Bombeiros-Portugal.Net



5 comentários:

VIPeR5000 disse...

Concordo plenamente com o que foi descrito é pena que Bombeiros e GPIS tenham condições totalmente opostas mas o que se pode fazer...


Ps já agora obrigado pela referencia só que o site não é bombeiros de portugal .net mas sim Bombeiros-Portugal.net


www.Bombeiros-Portugal.net

Anónimo disse...

As Associações de BV que invistam ou querem tudo, haja vergonha, e em vez de investirem em tascos, festas, e obras virtuais, invistam nos voluntários. Agora o estado manter os BV. Ah! Ah! Ah!

reinaldo disse...

Sim, então para que existe os estado?
Para onde vai os impostos que pagamos diariamente?
Pois se é para uns tem que ser para todos.

Anónimo disse...

As Associações de BV ao serem criadas tem de ter em atenção a sua sustentabilidade, e não estar à espera dos €€€ do estado e Municipios, isso é uma vergonha.
Depois dizem que são muitos, eh eh eh eh eh outra fantochada, contando que muitos BV apenas se inscrevem devido ás muitas regalias que teem direito, conheço uma AHBV que tem cerrca de 300 bombeiros inscritos, mas no activo estão apenas cerca de 70 e quando se pergunta quantos são inssitem nos 300!!!!
Tenham vergonha e deixem de baixar as calças ás direcções e lutem pelo verdadeiro voluntariado.

Reinaldo Baptista disse...

O socorro de uma população não pode ser financiado de uma forma de mercado livre, onde quem tem dinheiro tem o direito de ser socorrido, isso seria transformar os
Bombeiros em identidades empresariais, mas se o estado não quer assumir os custos alguém vai ter que assumir, se senão qualquer dia existira a rotura do sistema, porque tudo tem custos.
Agora é lamentável o que o MAI anda a fazer, porque é que a GNR teve direito a EPI a condizer com a sua missão e os Bombeiros levaram EPI sem qualquer características para incêndios Será que os Bombeiros são filhos de um deus menor?
Aja respeito por aqueles que durante o ano asseguram o socorro muitas das vezes gratuitamente, e em Portugal não existe somente incêndios florestais..